Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?

educacao
Implantação do programa Escuta Especializada

Publicado em 03/06/2022 às 09:51 - Atualizado em 03/06/2022 às 09:52

Prefeitura Municipal de Major Gercino

 

A Secretaria Municipal de Assistência Social de Major Gercino deu início a implantação do programa Escuta Especializada, na manhã de quinta-feira, 2. Um encontro com os professores da Rede Pública Municipal de Ensino realizou-se na Escola Municipal Monsenhor José Locks que, atualmente, está instalada na Sociedade Recreativa 26 de Janeiro.    

 

A Escuta Especializada é um procedimento de entrevista sobre a situação de violência com criança ou adolescente, perante um órgão da rede de proteção. Na abertura do evento, a secretária de Assistência Social, Regina Mara Sousa Fuck destacou a importância da cidade disponibilizar essa rede de proteção em Major Gercino. “Estamos em contato com a Associação dos Municípios da Grande Florianópolis, para termos mais informações sobre o programa”, destaca.    

 

O secretário de Educação, Bruno Roberto Liceski lembrou o recente caso envolvendo uma estudante da Rede Municipal, e falou sobre a importância da capacitação. “Por isso é importante nos preparamos ainda mais, pois o objetivo é assistir quem precisa de ajuda”, destaca. A assistente social Sílvia Santiago Martins palestrou sobre o tema. Ela destacou a importância de cada profissional estar preparado para uma conversa seja com criança ou adolescente. De acordo com ela, a capacitação tem o intuito não somente de abordar a violência sexual, mas também qualquer tipo de outra violência, no sentido de trazer o debate para a sociedade majorense. “É preciso saber lidar com o assunto, seja na educação, na saúde ou assistência social”.    

 

Para tanto, o objetivo é implantar a Escuta Especializada, que é uma lei que existe desde 2017, mas que ficou parada até mesmo devido à questão da pandemia da Covid-19. “A lei entende que cada equipamento público, seja escola ou unidade de saúde, Cras, deva ter uma pessoa de nível superior capacitada para fazer esta escuta, quando a criança ou adolescente relatar uma violação de direito”, informa.


Galeria de Fotos

  • {{galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
  • {{galeriaMultimidia.length + galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
Fechar